Política teórico-metodológica

Do ponto de vista teórico-metodológico e político o grupo se inspira e busca dialogar intensamente com diversos movimentos dentro e fora da sociologia tais como as Sociologias do Sul, Estudos Pós-Coloniais, Estudos Subalternos, Decoloniais, epistemologias feministas, teoria do ator-rede e estudos sociais da ciência, pois neles encontramos críticas fundamentais às narrativas hegemônicas centradas e reduzidas em termos como modernidade, racionalização, secularização, proletarização e desenvolvimento que hoje dominam a sociologia.

Deste diálogo emergem os seguintes desafios:

  • Desenvolver uma crítica aguçada da produção hegemônica do conhecimento em ciências sociais;
  • Não considerar que o mundo social seja um dado, mas que ele produzido por nossas próprias pesquisas e teorias;
  • Dialogar simetricamente com as ciências sociais produzidas fora da Euro-América;
  • Subverter objetos de pesquisa estabilizados pelas teorias clássicas e contemporâneas;
  • Criar métodos alternativos de pesquisa que permitam a emergência de novos objetos;
  • Criar e dar agência a objetos de pesquisa que se definam pela heterogeneidade e não pela singularidade.